O que é modelo VRIO?

Para entender suas vantagens competitivas e preparar um planejamento estratégico profundo, as empresas usam metodologias como Swot, 5 forças de Porter e PEST, para analisar o ambiente externo e GAP Analysis, Balanced Scorecard e VRIO, para o ambiente interno. Pelo menos deveriam usar. O modelo VRIO (Value, Rareness, Imitability e Organization, na tradução para o português: Valor, Raridade, Imitabilidade e Organização), foi criado por Barney, J. B. (1991) no seu trabalho ‘Firm Resources and Sustained Competitive Advantage’, onde ele identifica estes 4 atributos necessários para que uma empresa tenha vantagens competitivas sustentáveis.

A avaliação, além de ser utilizada para a gestão estratégica de desenvolvimento em diversas áreas, também influencia diretamente na tomada de decisão, seja ao que diz respeito à vantagem de um processo externo ou interno.

O primeiro passo da metodologia é entender os 4 atributos para depois identificar dentro da empresa quais são os produtos, processos, pessoas que trazem estas vantagens.

1- Valor

A primeira pergunta da metodologia é se um determinado recurso traz valor para a empresa, permitindo explorar oportunidades e se defender contra ameaças. Se a resposta é sim, este recurso é considerado de valor. Recursos também são valiosos se ajudam a aumentar o valor percebido do cliente. Isto pode ser feito com diferenciação e/ou menor custo. Os recursos valiosos geralmente são os que auxiliam a empresa a reduzir custos ou aumentar a receita. Uma equipe produtiva ou um design de produto inovador podem se encaixar nessa categoria. Os recursos que não conseguem fazer isso, geram uma desvantagem competitiva. É muito importante valorar os recursos constantemente, pois mudanças contínuas no ambiente interno e externo fazem com que muitos fiquem obsoletos.

2- Raridade

Recursos que só podem ser adquiridos por uma ou poucas empresas, é considerado raro. Caso poucos concorrentes tenham acesso, quer dizer que a exclusividade é uma de suas características. O que pode ser desde um profissional muito experiente até um produto ou marca exclusiva.

Raridade e valor garantem uma vantagem competitiva temporária. Em compensação, se várias empresas têm os mesmos recursos ou usam suas capacidades da mesma forma, isto leva a uma paridade competitiva. Apesar de não ser a situação desejada, uma empresa não deveria negligenciar os recursos que têm valor, mas não são raros. Perder recursos e capacidades valiosas prejudica uma organização pois são cruciais para se manter no mercado.

3- Imitabilidade

Isso leva o conceito de raridade um passo adiante e significa que seus recursos raros não podem ser imitados ou copiados facilmente, e há poucos substitutos para eles.

Uma empresa que tem recursos valiosos, raros e de difícil imitação pode conseguir uma vantagem competitiva sustentável.

Ainda assim, atualmente, é mais difícil tornar um produto “inimitável”, uma vez que, quando uma boa ideia é lançada, outros pesquisadores e desenvolvedores no mercado focam em aprimorá-la para oferecer algo competitivo. Os celulares são um bom exemplo.

Por outro lado, uma patente ou um direito autoral podem se encaixar também nessa categoria.

4- Organização

Os recursos por si só não conferem uma vantagem para empresa se ela não estiver organizada para capturar o valor deles. Uma empresa tem que organizar seus sistemas, processos, políticas, estrutura organizacional e cultura, para conseguir potencializar ao máximo o valor, raridade e imitabilidade de seus recursos. Só assim que as empresas conseguirão uma vantagem competitiva sustentável.

Importante destacar que, uma vez que todas as quatro características se unem, a empresa pode entender melhor sua evolução no mercado, construir a marca com mais confiabilidade e avaliar os resultados de lucro com base nessa análise inicial sobre os recursos.

Resumindo e indo para a prática!

1º Passo: Primeiramente, defina recursos que podem ser valiosos, raros e não imitáveis, aqueles que você acredita que há organização para explorar.

Existem dois tipos de recursos: tangível e intangível. Tangíveis são ativos físicos como terra, prédios, maquinário. As empresas conseguem comprar estes ativos no mercado e desta forma, raramente trazem algum valor competitivo. Os ativos intangíveis, por sua vez, como reputação da marca, patentes, propriedade intelectual, sistemas de treinamento únicos, formas diferenciadas de performar tarefas, não podem ser adquiridas com facilidade e oferecem vantagens competitivas. Logo, para achar os recursos valiosos, raros e inimitáveis, analise primeiro seus ativos intangíveis.

Encontrando recursos valiosos:

Um jeito fácil de identificar seria analisando a cadeia de valor e usando a Análise SWOT. Ao analisar a cadeia de valor é possível identificar as atividades que trazem vantagens em custos ou diferenciação. O SWOT identifica as fortalezas de uma empresar que permite a exploração de oportunidades e defesa das ameaças. (Que é exatamente o que um recurso valioso faz). Se ainda está difícil identificar os recursos valiosos, responda as seguintes perguntas:

Quais atividades reduzem o custo de produção, sem reduzir o valor percebido do cliente?

Quais atividades aumentam a diferenciação do seu produto ou serviço e consequentemente, o valor percebido do cliente?

Sua empresa já ganhou algum prêmio ou certificado, reconhecendo você como o melhor em algo?  (mais inovador, melhor empresa para trabalhar, maior retentor de cliente, melhor exportador)

Você tem acesso a matéria prima escassa ou de difícil acesso?

Você tem um relacionamento especial com seus fornecedores?

Você tem funcionários com habilidades diferenciadas?

A sua marca é reconhecida por qualidade, inovação e/ou atendimento ao cliente?

Você performa alguma atividade melhor que seus concorrentes? (Benchmarking é útil aqui)

Encontrando recursos raros:

Quantas empresas tem um recurso igual ao seu ou conseguem performar as atividades da mesma forma?

O seu recurso pode ser facilmente adquirido no mercado por seus concorrentes?

Os competidores conseguem obter o recurso em um

curto espaço de tempo?

Encontrando recursos com alto custo de imitação:

Outras empresas conseguem duplicar o recurso com facilidade?

Competidores conseguem desenvolver substitutos?

Existem patentes que protegendo seu recurso?

É algo socialmente complexo?

2º Passo: Descubra se sua empresa está organizada para explorar estes recursos

Sua empresa tem processos de gerenciamento estratégico efetivos?

Existem sistemas motivacionais e de compensação?

A cultura da empresa premia ideias inovadoras?

A estrutura organizacional está desenhada para aproveitar os recursos?

Existem excelentes sistemas e controles de gestão?

3º Passo: Proteja os recursos

Quando identificar recursos ou capacidades que tem os 4 atributos do VRIO, você deveria proteger de todas as formas possíveis. Afinal, é daí que vem sua vantagem competitiva sustentável. A primeira coisa a fazer é torná-los conhecidos pelos executivos e sugerir como poderiam ser usados para reduzir custos ou diferenciar os produtos ou serviços. Pense também em como dificultar a possibilidade de imitar seu produto. Se outras empresas não conseguem imitar num custo razoável, permanecerá raro por muito mais tempo.

4º Passo: Revise seus recursos e capacidades VRIO constantemente

O valor de um recurso muda com o tempo e precisa ser revisado constantemente para garantir que ainda tem o mesmo valor. Competidores também buscam uma vantagem competitiva e desta forma tentarão replicar o recurso valioso, o que significa que ele deixara de ser raro.

E então, entendeu o que é modelo VRIO? Quando possível, tente fazer a análise, começando pela sua forma mais básica, e você entenderá com muito mais clareza os recursos que envolvem sua empresa!

Enviar mensagem
Precisa de ajuda?